Cursos de longa ou curta duração: qual o melhor para a carreira?

Cursos de longa ou curta duração? O modelo de pós-graduação praticado atualmente no Brasil permite que as pessoas escolham entre diversas modalidades, de acordo com seus objetivos.

E você, conhece a diferença entre os cursos de curta ou longa duração? Tem alguma dúvida quanto ao propósito ou à qualidade de cada opção? Sabe definir o que atende melhor aos seus objetivos profissionais no momento?

Chegou a hora de solucionar essas questões! Vamos começar?

O que leva os profissionais a buscarem mais especialização?

O primeiro ponto que precisamos destacar é que, para ter sucesso na carreira, todo profissional precisa adquirir constantemente novas competências. Essa necessidade é decorrente de três motivos principais:

1. É preciso complementar a formação superior

Sim, é isso mesmo que você leu. Por melhor que seja um curso do Ensino Superior, ele nunca conseguirá, em seu tempo de duração, ensinar com profundidade tudo o que um profissional precisa saber.

Assim, um graduado em Administração pode até ter estudado Economia por um ou dois semestres, mas o que a disciplina conseguiu ensinar foi uma base dos principais conceitos. Se ele for atuar na área financeira de uma organização, precisará adquirir conhecimentos mais profundos.

Nesses casos, a pós-graduação — portanto, um curso mais longo — provavelmente é o ideal. Ela contribuirá para aprofundar as capacidades e entender sua aplicação à realidade do mercado.

2. É importante desenvolver habilidades complementares

Porém, além do conhecimento proporcionado pela graduação ou até mesmo pela especialização, o profissional que deseja crescimento precisa trabalhar suas lacunas.

Faz parte de um plano de desenvolvimento individual coerente identificar os aspectos em que precisamos aprimorar e empreender iniciativas para solucionar esses déficits de performance.

Portanto, o profissional pode reconhecer que precisa aprender a se comunicar melhor em público, já que sua função exige apresentações em reuniões ou para grupos maiores. Nesse caso, um curso breve de oratória pode ser o suficiente para desenvolver essa habilidade. O mesmo vale em outras situações relacionadas à rotina de trabalho.

3. O mercado apresenta novas demandas

Muitos profissionais investiram em uma boa graduação e se especializaram em algum ponto da carreira. Por algum tempo, provavelmente esse conhecimento foi o suficiente para obter bons resultados.

No entanto, hoje eles se deparam com situações inéditas, seja porque a carreira mudou de rumo ou simplesmente porque o mercado se transformou. A alteração nos cenários econômicos, políticos e sociais traz implicações ao mundo dos negócios, e, por isso, é necessário desenvolver novas competências.

Nesse contexto, também é importante recorrer a uma instituição que esteja atualizada em relação às demandas do mercado para fazer uma reciclagem profissional.

Como escolher entre cursos de longa ou curta duração?

Talvez você ainda não tenha entendido de que forma o que falamos se relaciona à pergunta do título: afinal, o que é melhor para a sua carreira?

A resposta depende justamente de como a sua vida profissional está estruturada e o que você entende que precisa desenvolver. Então, vamos entender em quais situações eles são indicados?

Cursos de curta duração

Quando o interessado recorre a uma instituição confiável, ele pode ter a certeza de que os cursos terão excelente qualidade. O que muda, sejam eles longos ou curtos, são os objetivos que eles propõem alcançar.

Como já falamos, existem habilidades pontuais que devem ser adquiridas. Uma boa forma de fazer isso é por meio de cursos de extensão e atualização. Eles são rápidos e úteis, e solucionam essas lacunas de desempenho específicas.

Alguns excelentes exemplos são o de Oratória e Desinibição, Gestão e Liderança de Equipes e Gerenciamento Operacional de Projetos.

Para adquirir essas habilidades, o interessado dedica um período curto, que varia de 8 a 24 horas-aula ou mesmo uma semana. Ou seja, em pouco tempo ele tem a possibilidade de obter um conhecimento útil que potencializará sua atuação no mercado.

Embora a instituição ofereça um certificado e ele seja válido para melhorar o currículo e se destacar em momentos de crise, o profissional sabe que esse não é o principal objetivo do curso. O que realmente importa é a capacidade adquirida de realizar suas atividades com mais eficiência e alcançar a alta performance.

Entre as vantagens desse tipo de iniciativa, está o aprendizado de habilidades que não são contempladas em situações de ensino formal. Devido à extensão do programa de uma graduação ou pós-graduação, as instituições deixam de lado alguns conhecimentos que são abordados nesses cursos rápidos.

Outro público beneficiado pelos cursos de extensão é formado por profissionais que não têm tempo para formações mais longas, como muitos empreendedores. Para esse grupo, é impossível conciliar sua agenda com cursos extensos, mas é razoável dedicar-se a iniciativas pontuais.

Cursos de longa duração

Já os cursos de longa duração se destinam a um propósito diferente. Eles também visam complementar a graduação, mas de uma forma mais ampla.

Por isso, as especializações e MBAs envolvem um acompanhamento maior do desenvolvimento de competências, exigem a entrega de trabalhos avaliativos e demandam interação intensa com os professores e os outros alunos.

Em muitos casos, o MBA pretende promover um equilíbrio entre formação genérica, especializada e prática. Essa proporção prepara o profissional para cargos executivos e de liderança.

A graduação em Administração, por exemplo, oferece uma formação genérica. O aluno formado termina o curso com uma série de conhecimentos básicos sobre os diferentes aspectos da gestão de uma organização: Direito, Economia e Finanças, Gestão de Negócios, Gestão de Pessoas etc.

Porém, ao ingressar em uma organização, ele provavelmente será alocado em algum cargo em que não utilize esse espectro de capacidades mais superficiais. Ele possivelmente trabalhará em uma área específica, como em Finanças.

O exercício profissional mostrará que, embora ele tenha uma base ampla de conhecimentos, deve aprofundar aqueles que são referentes à sua área para dominar as melhores práticas do seu setor.

Nesses casos, a alternativa ideal é a especialização. Ela proverá essas capacidades e, mais que isso, mostrará quais são as ações praticadas no mercado que oferecem os resultados mais satisfatórios.

O contrário também acontece. Um profissional com formação específica — em Gastronomia, por exemplo — inicia um negócio. Logo ele percebe que seu conhecimento não é suficiente para a administração do empreendimento. Falta know-how para a gestão de pessoas, o marketing, a administração financeira, entre outras necessidades.

Um MBA em Gestão Empresarial complementa essa formação e fornece as competências para que, além de ser um excelente chef de cozinha, ele tenha um empreendimento de sucesso.

Entendeu a diferença entre os cursos de longa ou curta duração para impulsionar a carreira? Quer conhecer outras chances de crescimento profissional? Então assine a nossa newsletter e receba dicas para alcançar o sucesso diretamente em seu e-mail!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"