Profissionais em falta: você é um deles?

O mercado de trabalho brasileiro enfrenta consequências de uma dura realidade: profissionais em falta. A diminuição significativa de trabalhadores em empresas de grande porte (mais de 50 funcionários) e a substituição em vez da criação de novas vagas, por parte das empresas, tem moldado um cenário árduo.

Mas, nesta mesma realidade, profissionais que estão atentos às mudanças e exigências para se destacarem, estão se reinventando e traçando novos rumos profissionais, ocupando profissões com boa perspectiva de crescimento e remuneração, e que estão abertas por falta de profissionais qualificados para ocuparem.

Mas o que de fato está faltando?

Qualificação e inovação são as principais necessidades de gestores e empresas que buscam pessoas para participarem do crescimento de seus projetos. Você tem ciência dessa necessidade? Se sim, o que tem feito em prol do seu destaque no mercado de trabalho?

Pesquisa realizada, recentemente, em mais de 20 países, pela consultoria alemã Trendence, revelou o que as empresas buscam em um profissional para contratá-los, inclusive as empresas brasileiras.

A palavra do momento, no mundo corporativo é resiliência. Não é atoa que, entre os principais quesitos mais avaliados, as empresas brasileiras destacam a personalidade do profissional. Para 70% das empresas, ele precisa ser flexível, para adaptar-se as mudanças em seu setor e na empresa. 

E diferente do que foi ditado no mercado, durante muitos anos: “manda quem pode (patrão) e obedece quem tem juízo (empregado)”, o trabalho em equipe é a característica mais votada pelas empresas brasileiras. Para 76% dos executivos entrevistados, os profissionais devem se posicionar como donos do negócio, “vestirem a camisa” da empresa desde o momento da entrevista para ocupar o cargo.

Profissionais em falta e a readaptação do mercado de trabalho

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de profissionais trabalhando em grandes empresas caiu 29% em relação a 2015, enquanto o percentual de trabalhadores em empresas de pequeno e médio porte cresceu 50,1%.

A reconfiguração do cenário tem proporcionado às startups e novos modelos de negócio uma entrada forte e promissora em diversas áreas. Isso revela que o mercado responde ao ritmo acelerado de oferta e demanda de qualificação profissional e aguça ainda mais a competitividade.

Nos últimos anos, pesquisas realizadas com gestores e diretores de grandes empresas têm destacado a principal necessidade em um profissional promissor: o espírito empreendedor. O grande problema é que a maioria alega não encontrar essa característica nos profissionais que se candidatam. 

Em suma, podemos perceber que um perfil bem claro de profissional, com chances de sucesso em sua carreira, tem as seguintes características intelectuais e comportamentais:

  • está em constante atualização e investe em suas técnicas: MBA, pós-graduação, certificações e participação em seminários;
  • participa de projetos paralelos de extensão ou atualização de conhecimento;
  • é proativo e disponível para novas funções e desafios em seu dia-a-dia de trabalho;
  • “veste a camisa” da empresa desenvolvendo a capacidade de ser intraempreendedor e pensar em ideias inovadoras.

Com a queda de contratações no modelo CLT, bem como o incentivo ao empreendedorismo, os salários estão sendo barganhados e são estipulados de acordo com a situação do trabalho. Saber “vender o seu peixe” pode ajudar você a se valorizar. 

Como se destacar neste cenário de profissionais em falta?

Ao passo que aumenta o número de startups e novos modelos de negócios no Brasil, também aumenta a informalidade e o número de pessoas que trabalham por conta própria.

Um dos grandes fatores sem dúvida é a paralisação que a economia brasileira viveu por um período duro, que ainda reflete no mercado de trabalho. Atualmente, mais de treze milhões trezentos e vinte e seis mil brasileiros estão desempregados, segundo o IBGE.

Se, por um lado, muitos profissionais estão arriscando em seus projetos, por outro, eles estão desistindo ou estão perdendo suas vagas para uma competitividade que fica mais acirrada, e permanece quem se destaca. 

Mas, afinal, quais são essas áreas que ofertam emprego diante desta realidade do mercado? Cargos em áreas técnicas; profissões de ofício; operadores de produção e máquinas; auxiliares em escritório; motoristas; representantes de vendas; engenheiros; profissionais de finanças e de TI estão abertos à espera do profissional ideal.

Por isso, se reinventar é fundamental para este momento. É totalmente possível traçar uma carreira profissional de sucesso em um mercado que tem se reconfigurado, e mais, descobrir-se em áreas novas conquistando, assim, a tão sonhada estabilidade. 

Se mostrar sempre à frente em conhecimento e técnica, ajudará você a ser um profissional visado pelas empresas. É importante entender que os avanços da tecnologia e o encurtamento das distâncias pela internet, tornaram as atividades diversas de uma empresa mais exigentes sobre conhecimentos técnicos e olhar globalizado. 

Muitas profissões demandam, ainda, o domínio em pelo menos uma língua estrangeira, geralmente o inglês. Como é o caso do cargo de engenheiro de vendas, com média de salário de R$ 7 mil, e faltam profissionais que o ocupe em multinacionais por não falarem a língua inglesa.  

Resumindo, existem algumas práticas profissionais e pessoais que levam um profissional a ser visado pelo mercado de trabalho em um nível diferente da realidade da maioria dos trabalhadores brasileiros:

  • acordar cedo para otimizar o desempenho;
  • praticar exercício físico diário (20 a 30 minutos);
  • planejar a semana;
  • aproveitar o tempo com técnica e ferramentas de gestão;
  • concentrar no trabalho utilizando fone de ouvido e colocando o celular no silencioso ou modo avião;
  • delegar responsabilidades;
  • intercalar trabalho e descanso aos fins de semana e após o expediente semanal;
  • relaxar com algum hobby ou entretenimento;
  • ler diariamente livros e periódicos;
  • dormir numa mesma média de horário todos os dias;
  • desconectar da tecnologia 30 minutos antes de ir para a cama;
  • estudar e participar de eventos da área de atuação.

Se você quer se enquadrar no perfil de profissionais em falta para o mercado, tenha em mente e coloque em prática essa ações e desfrute as vantagens de ter um currículo visado pelas empresas. 

Gostou deste conteúdo? Aproveite e compartilhe este artigo em suas redes sociais e sugira a leitura para aqueles amigos que precisam de um empurrãozinho na vida profissional!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"